Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras sobre o Mundo

Espaço destinado aos ecos, silêncios e construção do pensamento. Aos limites da racionalidade, mas sobretudo na reflexão sobre a grande pólis que embarcamos todos os dias, nesta vida. O mundo, seja bem-vindo.

Palavras sobre o Mundo

Espaço destinado aos ecos, silêncios e construção do pensamento. Aos limites da racionalidade, mas sobretudo na reflexão sobre a grande pólis que embarcamos todos os dias, nesta vida. O mundo, seja bem-vindo.

| Nós e Cabo Delgado - A Responsabilidade Histórica

por Tiago Aboim, em 27.03.21
Trata-se da primeira vez que irei falar de Cabo Delgado, província do Norte de Moçambique cuja capital é a cidade de Pemba. Entre as províncias de Niassa e de Nampula e pelo oceano Índico, a província de Cabo Delgado possui uma superfície de 77 867km2 e uma população com mais de um mlhão de habitantes, constituída, sobretudo pelas etnias dos Macondes e dos Macuas. 

Os acontecimentos que aí decorrem agravam ainda mais a situação política em Moçambique, paira novamente, o cenário de guerra cívil com consequências bastantes imprevisíveis. Aliás atrevo-me a escrever, que se nada for feito no sentido de resolver este flagelo, sob pena da situação moçambicana se tornar numa Líbia II. Onde aí  (Líbia) a (des) responsabilidade internacional, sobretudo da Europa e dos Estados Unidos foi evidente, num território que está às portas do velho continente. Chegam milhares às costas de Itália,Grécia, Malta e Espanha, que fogem desesperadamente do conflito líbio, que se iniciou em 2011, sendo um Estado sem Estado.

No caso de Cabo Delgado, julgo que no âmbito da presidência Portuguesa do Conselho da UE e devido às raízes histórico-culturais com Moçambique, Portugal deveria liderar uma força multinacional de paz no âmbito da cooperação UE-UA (União Africana) sob aval da ONU. Aliás neste organismo internacional deveríamos interceder para ser realizado um Conselho de Segurança de urgência para ser adotada uma Resolução, com vista a agilizar o conflito em Cabo Delgado. 

Portugal sempre que assume as responsabilidades no Conselho da União Europeia, torna as relações com África uma prioridade, foi assim em 2007 e será assim 2021.  

A situação de Cabo Delgado, é demasiadamente grave para ser esquecida. As populações estão a ser ameaçadas, perseguidas, paira o terror, os relatos são assustadores.

Embora o espaço global, esteja atento e centrado no combate a pandemia que assola o mundo, outros assuntos não devem sair da agenda política internacional, onde o terrorismo não dá treguas.  

Urge agir, pois já é tarde demais.

Mãe.

por Tiago Aboim, em 03.05.20

Ao SER  que nos ensinou a observar, a agir com o coração e sermos donos dos sonhos, não é gratidão a palavra, é Mãe. A melodia de toda uma vida que nos aquece, a calma quando a noite nos atormenta, é a caixa dos nossos segredos. Tanto, poderia escrever sobre a nossa Mãe. Esta é a minha, a nossa. Todos os dias da vida e da eternidade. Feliz Dia da Mãe.

Europa, uni-vos

por Tiago Aboim, em 23.03.20

A Europa acorda sobressaltada com uma guerra invisível e altamente destrutiva, que põe em causa o princípio da dignidade humana: a vida. As imagens e os relatos dos hospitais por toda a Europa são verdadeiramente assustadores e perturbadores, especialmente em Itália, Espanha, França, onde o número de mortos não para de aumentar. Os hospitais estão a converter-se em autênticos santuários, onde o medo e a morte parecem viver lado a lado.

Os governos europeus decretam o isolamento, para evitar uma autêntica carnificina dos seus cidadãos. Faltam-nos as palavras para perceber o porquê de tudo isto. As consequências são imprevisíveis para todos os setores, nomeadamente o social, económico, cultural e até mesmo político.

 

A economia europeia que dava sinais de recuperação assiste uma recaída que pode pôr em causa o modelo económico-financeiro que hoje conhecemos, isto se os decisores de Bruxelas e do Banco Central Europeu, não entenderem que será necessário um "Plano Marshall" para Europa (tal como afirmou o Primeiro-Ministro de Espanha, Pedro Sanchez). Um enorme programa macroeconómico que relance as bases da economia europeia, assente na sustentabilidade e na valorização dos seus trabalhadores e na proteção ambiental. Sexta-feira, a Presidente da Comissão Europeia deu um passo, com a suspensão das metas orçamentais dos países comunitários, para fazer face a este surto. A regra dos 3% de défice foi eliminada temporariamente, para que os países possam utilizar todos os recursos financeiros a fim de estancar este surto epidémico.

 

Os europeus não resistirão a uma nova crise como aquela que vivemos em 2008, especialmente os países do Sul, com enormes debilidades no seu tecido económico. Esta crise epidemiológica, é sem dúvida o maior desafio ao projeto europeu, pois não pode falhar. O seu falhanço representaria o triunfo do individualismo e do protecionismo, sobre a solidariedade e a cooperação entre os povos da Europa. A neoliberalização (com a tolerância de alguns partidos socialistas e sociais-democratas, que se curvaram perante a terceira via!) do projeto europeu dos últimos 30 anos prejudicou os cidadãos europeus, minimizou-se  o papel do Estado, os direitos dos trabalhadores, o acesso à saúde, educação e proteção social, agudizou-se a tensão entre países ricos e pobres, salvaram-se bancos, perdoaram-se dívidas, mas esqueceram-se do fundamental: os cidadãos. 

 

Urge um novo Contrato Social entre os cidadãos e as instituições que os representam (Governos, Parlamentos), a valorização do cidadão na sua plenitude no acesso à saúde, educação e à proteção social; a reinvenção do Estado-Providência no garante da qualidade e bem-estar da comunidade. A minimização do papel do Estado na sociedade resultou numa total desregulação das regras laborais, do sistema-financeiro e da própria economia e da proteção do meio-ambiente. A União Europeia terá de assumir os seus princípios fundadores. No plano financeiro, se existe um denominador comum, o Euro, para quando a emissão de dívida conjunta?! É crucial!

 

2020, já iniciou com uma ferida no coração europeu, com o Brexit (e o desastre que será para os britânicos, esta saída, no mínimo o caos). O COVID-19 e a problemática dos refugiados na Grécia, a lamentável  ação que foi tida com a Turquia, em nada se coaduna com o respeito pelos Direitos Humanos. A dignidade humana foi esquecida e não lembrada. Um mar de promessas falhadas que hipotecou a vida de tantas e tantas pessoas, que procuravam a Europa como uma porta para um futuro ou simplesmente para sonhar. Falhamos! E temos de o admitir perante todos os que chegam às costas da Europa. E aqueles que chegam sem vida, não basta uma sepultura, deve haver memória coletiva, consciência do erro! Imperdoável, Europa!

Esta é uma das feridas que têm de ser saradas de forma conjunta, não de forma isolada, mas num esforço comunitário.  Os nossos filhos não nos perdoariam se falhássemos por tudo aquilo que os nossos avós e pais ajudaram a (re)construir. Pede-se uma Europa de cidadãos para cidadãos, devolver a esperança aos povos. 

 

Os livros de História figuram a Europa como o berço da Democracia, Tolerância, Iluminismo, Liberdade, mas também por vezes vivemos no medo e no obscurantismo. Por esta Europa cinzenta suspiram alguns, que se fazem ser os ouvidos e a voz, como autênticos elementos de devolução de esperança, mas que exaltam o nacionalismo e o isolacionismo e todos os ismos, como o caminho pleno para a salvação coletiva, como outros num período não tão longe de ontem ,reclamavam!

 

Quero ensinar aos meus filhos o que é a Europa não o que foi a Europa. Mas quero uma "nova" Europa, a dos Cidadãos. De Todos para Todos.

A página não mudou o mundo é que girou

por Tiago Aboim, em 03.01.20

Ainda estávamos a curar a ressaca do ano novo, quando acordamos com a notícia do assassinato de um dos mais importantes generais do exército do Irão, na capital do Iraque, Bagdad. A responsabilidade deste acontecimento foi do próprio Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump.

Volvidos quase 17 anos da invasão dos Estados Unidos ao Iraque, no falso propósito da existência das armas de destruição maciça, este recente acontecimento constitui um autêntico rastilho numa região que, já por si só, é explosiva.

O consulado de Trump na Casa Branca, a nível de política externa tem-se revelado um autêntico desastre, ainda para mais com este acontecimento.

Sobre o Irão, durante a administração Obama em 2015 com a bênção de potências europeias, bem como da China e Rússia, foi assinado um acordo que visava uma diminuição das sanções sobre Teerão, tendo como contrapartida a limitação das suas atividades nucleares, constituindo um pequeno triunfo de Obama na região do Médio Oriente

A administração Trump vai criar uma hostilidade diplomática ou até mesmo militar na região,em que os próximos dias ou até mesmo horas, poderão ter novos desenvolvimentos, com a entrada em jogo no xadrez geopolítico da Rússia, China, aliados da República Islâmica do Irão e de Israel, o mais fiel aliado dos Estados Unidos, na região. 

Quando comecei a escrever este "post" iria  fazer uma reflexão para aquilo que são os desafios do mundo para 2020 e este acontecimento veio reforçar  as minhas preocupações sobre a pólis em que vivemos.

Comecemos pelo continente europeu: O Brexit, constituirá a mais profunda alteração geopolítica na Europa depois da queda do muro de Berlim em 1989. As consequências para os britânicos deste seu isolacionismo poderão ser devastadoras para a sua economia, sociedade e a sua própria geografia, isto é, os riscos de uma desfragmentação do mapa da Grã-Bretanha, nomeadamente com os ventos de independentismo vindos da Escócia, e o reacender da tensão irlandesa. Um pretexto eleitoralista de David Cameron, em 2015 que levará ao desconhecido e que poderá desencadear um sentimento de outros países da Europa, nomeadamente a leste, como é o caso da Hungria, Polónia e Roménia. Estes três países quebram constantemente as regras europeias, na relação entre poderes e no respeito pelas liberdades individuais e coletivas, que tão caras são a estes povos de leste. 

Ainda no velho continente, Espanha e Itália apresentam soluções governativas extremamente débeis, que podem ser uma oportunidade para a afirmação de partidos políticos com posições anti Europa ou com posições de autodeterminação regional, como é caso da Catalunha, País Basco, Andaluzia, em solo espanhol.

No panorama político-partidário vejamos o Vox que é a terceira força no Câmara dos Deputados em Espanha, e as vitórias expressivas em várias localidades em Itália da Liga do Norte que podem conduzir Salvini a primeiro-ministro, face ao frágil governo de coligação entre o Partido Democrático e o Movimento Cinco Estrelas

Urge a Europa aproximar-se dos cidadãos, das suas vontades e dos seus anseios e no desígnio maior, a solidariedade entre os povos.

Estes últimos anos são os mais sombrios para aqueles que (ainda) acreditam no projeto europeu, como sendo um projeto de aproximar povos e nações, na superação das adversidades e dificuldades.

A crise dos refugiados constitui um dos maiores problemas dentro dos países europeus, não havendo uma estratégia comum na superação deste flagelo, que nos tanto atormenta, aparentemente só a alguns. 

Ainda a destacar a América Latina, um continente que durante o século XX serviu como laboratório experimental nas posições político-ideológicas da época, mas os recentes acontecimentos em países como a Argentina e Chile podem reabrir feridas de um passado que o presente ainda não sarou totalmente. O impasse venezuelano que este ano terá novos capítulos poderá desencadear um processo de guerra civil neste país. E o Brasil, o maior país da América do Sul, como será o segundo ano de Bolsonaro? Não sabemos.... mas sabemos que Lula está de volta, aguardemos.

Na Ásia, a afirmação da China como principal potência continental e global, inclusivé na liderança no combate às alterações climáticas. Assume posição estratégica em setores chaves (energia) de alguns países da Europa, que são exemplo Portugal e Grécia  e em África o caso de Angola. Tem um problema interno chamado Hong Kong, que tarda em ser resolvido e o Ocidente assiste na expetativa. Ainda neste continente, os problemas decorrentes do fundamentalismo islâmico, como é caso do Afeganistão. A questão Síria e do Iémen parece totalmente esquecida por parte da comunidade internacional, mas são feitos crimes contra a humanidade, um autêntico genocídio onde todos são culpados pela sua inação. Ainda neste capítulo, os massacres em Myanmar!

Em África, continuamos com o flagelo da fome e das convulsões internas dos seus países, que são suportados por interesses das principais potenciass globais e do fundamentalismo islâmico.

A Primavera Árabe, que varreu uma parte dos países do Magrebe gerou fenómenos de tensão social e política com dimensões inimagináveis, exemplo disso a atual situação da Líbia (caos!) 

Por fim, o ataque terrorista na cidade de Mogadíscio, na Somália que causou quase uma centena de mortos.

Eis o maior desafio de todos, o das alterações climáticas. Este ano ficamos  sensibilizados com a ação e resiliência de uma jovem sueca que ergue a voz por todos os que querem um mundo melhor e mais são limpo, de seu nome Greta Thunberg. Foram tantas as vezes que vimos a jovem sueca a questionar os "senhores do mundo" que é a chegada a altura de correspondermos às suas(nossas) preocupações. Os acontecimentos que assistimos no ano de 2019, como os incêndios na Amazónia que nos mostraram que nada está imune, para não falar do inferno dantesco que acontece atualmente na Austrália, ou as cheias que afetaram Portugal e Espanha ou a quantidade de plástico que se encontra por todo o oceano.

Os "ismos" que nos assustaram no passado, parecem ter acordado de um alarme que não ouvimos tocar. É hora de agir na problemática dos refugiados, de consciencializar para o impacto das alterações climáticas. Não somos apenas cidadãos de um país, A ou B, ou de um continente, somos de todo um mundo. Não se acomodem, questionem, levantem-se e ergam a vossa voz na defesa do nosso bem comum: a Terra. Os nossos filhos e netos não nos perdoarão se falharmos. Quando acordarem, lembrem-se da sorte de estarem vivos, de estarem em Paz, mas lembrem-se que muitos não sabem o que isso significa.
2020 é como todos os novos anos, um desafio, mas façam do ano novo o início do vosso, do nosso. 

 

1989.

por Tiago Aboim, em 02.11.19

Quando escrevo a data do meu nascimento sinto sempre uma espécie de arrepio. Talvez por ter nascido no ano de 1989, aquele ano extraordinário, em que finalmente se quebrou uma das últimas barreiras daquela Europa ainda acorrentada pela guerra fria.  Este ano, esta data, não pode ser descurada por nenhuma pessoa, sobretudo os amantes da Liberdade, aqueles que gritam pelo Futuro e acordam com a certeza de que somos movidos pelo sonho. Não se trata apenas de uma data para figurar nos livros de História, como apenas mais uma data para decorar ou simplesmente o triunfo de uma determinada visão(política, económica, cultural, social) do mundo sobre outra, nada disso! É tudo mais que política, é o reerguer de um sonho, é  o renascer de um novo amanhecer, é o triunfo dos seres que lutam pela felicidade. O walkman que tocava vezes sem conta "Wind of Change" daqueles jovens que ansiavam pela mudança, pelo futuro, pintavam na tela os seus sonhos e o sonho maior: liberdade. Berlim despertou vezes sem conta para que o amanhecer fosse diferente, fosse colorido, sorridente e triunfante, naquelas ruas cravadas ainda pelo medo e pela cólera de uma guerra mundial que contagiou e vitimou milhões de pessoas. Um património humano e cultural que sucumbiu pelo som tenebroso e o grito da angústia das balas, das bombas e do terror. 

Mais tarde, ergue-se aquela que é maior barreira de todas : O muro(!). Aquela coisa que tantas vezes na nossa vida  criamos, mesmo que de forma imaginária, mas que durante 28 anos foi real e serviu como uma barreira a todos aqueles que só queriam apenas um pouco daquilo que lhes foi tirado. Muitos foram aqueles que caíram ao som das balas na sua incessante batalha, como soldados que tombam numa guerra e que se tornam mártires da sua própria causa, a nossa causa maior. 

Um dia, em casa, alguém que muito amo deu-me um livro e pediu-me para procurar o principal acontecimento que tinha ocorrido no ano em que eu nasci. Eu com o entusiasmo de tenra idade, encontrei: A queda do muro de Berlim. Impressionado e assustado, perguntei: Berlim, teve um muro? Essa pessoa respondeu-me afirmativamente e daí contou-me a história desse muro. Aí percebi o significado de liberdade e de sonho. Gravo na minha memória de forma perpétua aquele dia cinzento, chuvoso, que ainda hoje me acalenta a alma e o coração e me levou ao sonho que hoje realizo. 

Volvidos quase trinta anos  desse dia, ao ver as imagens da queda do muro, vejo ainda no olhar daquela pessoa que me deu a vida  a imaginação de todos os dias, o mesmo sorriso,  a sua forma de ser que muito me inspira em todos estes dias, na estrada que denominamos, de vida. "Ergue pontes e nunca muros, acalenta o teu sonho e o sonho dos que amas e daqueles que formarás enquanto cidadãos do mundo". Aquele olhar, é a esperança que tenho em cada dia que passa nesta vida e na outra.

Perguntar-me-á o leitor quem é a essa pessoa? Eu respondo: a minha mãe, o berço da minha Liberdade.  

 

 

 

 

Amazónia - Alerta Global

por Tiago Aboim, em 21.08.19

A Humanidade assiste a um verdadeiro atentado aquele que é o seu maior Património Natural, Amazónia. Poderia aqui enumerar todos responsáveis, mas temos de ser conscientes que de uma forma direta e indireta, todos o somos. A consciencialização ambiental, é uma das causas que deve unir a Humanidade, sociedade civil aos dirigentes mundiais. As imagens que nos chegam da Amazónia, são arrepiantes e devem envergonhar-nos pela forma como tratamos este nosso pulmão. O progresso, desenvolvimento, não pode pôr em causa o ambiente, urge a sustentabilidade. As alterações que hoje assistimos nos diversos pontos do globo, são um claro alerta para os perigos que a vida na Terra corre. O desaparecimento de espécies, o degelo dos polos, a subida das águas e aquecimento global são fenómenos que vamos conviver no presente e no nosso futuro. Culpabilizar o A ou B, não faz com que possamos recuperar o tempo perdido, mas torna a questão do ambiente como um desígnio global, deve estar no nosso horizonte mais próximo. Não se trata apenas de proteger e salvar a espécie humana, mas de todos os seres vivos que coabitam neste planeta. Andamos ansiosos por descobrir se temos condições de habitabilidade em outros planetas, nomeadamente, Marte, como se fosse uma esperança para nos desresponsabilizamos perante aquilo que fazemos ao nosso planeta, mas essa não é a solução. Estou profundamente angustiado perante o que vejo, leio, quando os meus pais me contavam a importância da Amazónia, quando na escola fazia trabalhos para respeitar o ambiente e proteger o nosso pulmão, o que irei contar aos meus filhos? Que pela estupidez humana, destruiu a Amazónia, pela necessidade económica, ou qualquer outra coisa? As lágrimas que hoje correm pelo mundo fora, não chegam para ser água suficiente para proteger do fogo que arde naquele local do planeta. Mas quem diz Amazónia, diz os incêndios florestais que assolam diversos pontos do globo, Portugal, Espanha, Itália, Grécia, Austrália, Estados Unidos entre outros países. Não consigo esconder a minha revolta(!)

Um crime contra a humanidade é todo aquele que é feito contra a dignidade humana, sabemos que só o afirmamos quando assistimos a genocídios( e tanto haveria por falar disso, daqueles que a comunicação social, esconde, não mostra ou simplesmente, ignora), mas estes acontecimentos na Amazónia constituem um ignóbil ataque ao Planeta Terra. Todas as palavras que aqui escrevi, são isso mesmo palavras, que por mais insignificantes que sejam, que ao menos sirvam como um semente para consciencialização  do leitor para o espaço que vive.

Urge agir antes que seja tarde de mais, pois já estamos todos atrasados para esta causa, que é de todos e cada um.

Trump e as suas sombras

por Tiago Aboim, em 16.08.17

Os recentes acontecimentos na cidade de Charlottesville, são de uma enorme gravidade na medida em que os seus ecos podem contagiar a Europa. Uma ideia de supremacia branca, o erguer bandeiras nazis ou uma simples saudação, arrepia qualquer um e estremece o coração de qualquer cidadão que paute pelos valores da tolerância, solidariedade e respeito pelas etnias pelas diferenças. 

Trump encontra-se perdido, por um lado, num discurso de apaziguamento que não é mais que uma tentativa de desresponsabilização pela sua inoperância, enquanto chefe dos Estados Unidos. Por outro, no plano económico assume a função de CEO de uma empresa multinacional, vangloriando-se dos êxitos, como sendo da sua responsabilidade, mesmo que para esse êxito sejam revertidas políticas que visam pôr em causa a sustentabilidade e até mesmo as preocupações ambientais. Estes dois conceitos surgem mesmo como tabus na sua administração. Rasgar o Acordo de Paris,constituirá um profundo retrocesso para o equilíbrio global que tanto precisamos, na medida em que depois do fracasso de Quioto, Paris surgiu como uma derradeira oportunidade para os decisores políticos salvarem o planeta. 

Quanto à relação com o exterior, apesar de oito anos em que os Estados Unidos abandonaram, de forma direta - intervencionista em alguns pontos do globo, não deve ser deixado de salientar que os dossiers Síria, Iraque, Afeganistão, Líbia e Egito foram o calcanhar de Aquiles na Administração Obama, apoiando de uma forma indireta alguns grupos, que em nada  se revêm nos princípios da democracia ou desconhecendo qual a sua proposta politica para o país.

Não sendo favorável  a qualquer tipo de intervenção militar, excetuando no caso de ser suportado por via de resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a intervenção na Síria era é absolutamente indispensável, pelas atrocidades aí cometidas, ou diria mesmo, os genocídios, os crimes contra a humanidade que daí decorreram e decorrem. Por muito que os nossos olhos possam estar neste momento na atual situação na península coreana ou na Venezuela, não devemos esquecer nunca  Aleppo. Os olhos do mundo não se devem desviar do que aí ocorre, a preocupação deve ser constante e continua.

A administração Trump, assume o caráter bélico como uma hipótese e até mesmo a solução, com vista à resolução dos presentes focos de tensão existentes, desconhecendo os riscos que um novo conflito possa trazer.  Tal como já escrevi, o mundo vive um dos períodos mais tensos desde 1945, um autêntico contrarrelógio, onde o limite parece ser um mero obstáculo que facilmente é ultrapassado. Para já, não assistimos ao som das armas, mas o ruído que é provocado estremece as nossas vidas.  

Preocupa-me que do outro lado do Atlântico, haja uma ausência de responsabilização e de uma certa passividade perante posições que põem em causa os princípios fundadores da sociedade a que hoje pertencemos. Os recentes acontecimentos nos EUA servirão de farol inspirador, para a (re) issurgência de movimentos, como  o caso polaco, checo, húngaro que são terrenos férteis para a propagação destas ideias. Não devemos olhar para estes fenómenos, como atividade isoladas ou espontâneas, mas como um alerta para a fragilidade do modelo político, social e económico que vigora na Europa desde o colapso soviético. Faz sentido compreender que estes movimentos surgem pela ausência de resposta às principais preocupações dos cidadãos, pelo sentimento de desconfiança face às instituições e até mesmo nos partidos políticos, que são um pilar fundamental para a consolidação democrática, mas que muitos encaram como os responsáveis pela atual situação, que hoje vivemos.

A democracia não é um estado permanente, cabe-nos consolidar e até mesmo aprofundar com vista ao seu reforço, com todos e para todos.  

 

O desembarque de Nolan - Dunkirk

por Tiago Aboim, em 05.08.17

Ontem, fui ao cinema ver um dos filmes mais esperados do ano, Dunquerque ou Durkirk, do realizador Christopher Nolan - conhecido pela realização da trilogia do Cavaleiro das Trevas, Origem ou Interstellar, entre outros.

Dunkirk, trouxe-nos o melhor de Nolan. A história de um dos maiores fracassos militares dos Aliados em praias francesas em 1940, mas que 4 anos mais tarde nos areais da Normandia se iniciava a libertação da França e por conseguinte de toda a Europa.

As expectativas eram altas, mas com alguma inquietação em perceber como o realizador nos iria apresentar este acontecimento. Ainda tinha na memória o filme de Steven Spielberg, no Resgate do Soldado Ryan. 

Mas em tudo este filme foi diferente. Nolan deu-nos a conhecer o drama de Dunquerque, no ar, em terra e sobretudo no mar. A espetacularidade das imagens, carregando consigo a luta pela sobrevivência em território adverso prende o espectador, atingindo a dimensão de estar sentado num Spitfire( caça britânico da II Guerra Mundial), num barco  ou simplesmente a marchar sobre aquele areal acompanhado de uma banda sonora magistral de Hans Zimmer, que nos transcende a uma dimensão única, numa espécie de viagem no tempo em que somos tele transportados para 1940.

Na minha opinião, a mensagem passada por esta produção é demonstrar e realçar a coragem dos soldados ingleses e do povo anónimo inglês na busca e salvamento dos seus filhos ou simplesmente dos seus compatriotas, que estavam entregues à sua mercê, à sua sorte, com o desejo de os levar para casa.

Dunquerque mostra-nos que nem tudo foi perfeito para os Aliados neste conflito, aliás no ano deste acontecimento, 1940, assistimos ao clímax do poder militar nazi na Europa, culminando com à conquista de Paris, estando assim às portas das ilhas britânicas. Este acontecimento ou esta lição de Dunkirk, serviu para que os Aliados, na Europa iniciassem uma outra marcha, mas que só se viria  a notar e a realçar com a entrada dos Estados Unidos no conflito, após o ataque de Pearl Harbor em 1941.

Não sou um crítico de cinema, sou amante de História e para estes e para todos aqueles que gostam deste género de filmes é obrigatório assistirem. Arrepiante. Muito bom.

Venezuela , Churchill e Nós

por Tiago Aboim, em 01.08.17

 

Depois de uma longa ausência do blogue, regresso à escrita nos próximos tempos, voltando a utilizar  este espaço de crítica e reflexão sobre  geopolítica e os principais assuntos de política internacional.  

Neste artigo irei debruçar-me sobre o assunto que domina a atualidade política internacional, a situação política na Venezuela.

 

No passado domingo, realizaram-se "eleições para a Assembleia Constituinte", com o objetivo de tornar ainda mais absoluto, o poder do atual presidente. A situação venezuelana é manifestamente grave, com a imprevisibilidade a  ser o cenário mais certo, ousando descrever a presente situação como de iminente guerra civil, se é que ela já não começou, pelas vítimas que já se contabilizam por estes acontecimentos. 

O continente sul-americano é um terreno bastante fértil para experimentalismo político-ideológico, bastando verificar que durante o período da Guerra Fria, a maioria dos países tiveram convulsões políticas que culminaram em revoluções, que balançavam para o lado norte-americano ou soviético, como foi o caso do Chile ou de Cuba, respetivamente, ou noutros países desta região do mundo como Guatemala, Nicarágua, Panamá, Bolívia. 

.

O "11 de setembro chileno" foi um dos acontecimentos mais negros da história chilena e até mesmo da América Latina, impondo ao Chile, um regime totalitário e opressor que vitimou milhares de chilenos durante o consulado de Pinochet, e que o Ocidente, nomeadamente os Estados Unidos e Reino Unido tentaram sair de uma forma muito silenciosa, mas que na realidade foi um inquieto silêncio ruidoso, preocupante e perturbador.  

Pode o leitor na sua liberdade de pensamento, afirmar que estou a fazer uma comparação entre as revoluções em Cuba e no Chile com a situação na Venezuela, e na realidade estou. Embora volvidos mais de 60 anos da revolução de Castro e de Che em Cuba e de 44 anos do golpe de estado chileno, o que estamos a assistir é a uma revolução em marcha. Um golpe constitucional, com o intuito de maximizar o poder na figura do Presidente,uma república constitucional absoluta, em que nada  é democrático. 

Por outro lado, a perspetiva sócio-económica com elevados níveis de pobreza, de desemprego, mas sobretudo um flagelo preocupante e inimaginável, a fome. O racionamento alimentar que vigora, é sem dúvida a maiores das inquietações de um povo sedento de liberdade e do seu próprio bem-estar. 

As imagens a que assistimos na televisão diariamente, revelam um autêntico cenário de guerra civil, com as fortes cargas policiais sobre aqueles que defendem um outro caminho, fazemdo-nos lembrar outros tempos, sombrios e escuros, que alguns povos sentiram e sofreram. A perseguição e prisão de todos aqueles que se opõem ao regime, é uma forma de totalitarismo que nos faz lembrar no continente europeu a Revolta de Budapeste em 1956 ou até mesmo os acontecimentos do ano passado na Turquia e até mesmo Portugal antes de 1974.

Os ecos de Caracas podem ser escutados em alguns países da América Latina, desencadeando possíveis modificações na Geopolítica deste continente, nomeadamente no Brasil, onde a qualquer momento poderemos vir a ter uma situação muito semelhante, perante o estado temeroso em que se encontr, onde o rastilho venezuelano, pode ser o impulso para a ebulição política que o maior país da América Latina deverá sentir com uma ainda maior intensidade.

Winston Churchill afirmou  na Câmara dos Comuns, em 11 de novembro de 1947: "A democracia é a pior forma de governo, à exceção de todos os outros já experimentados ao longo da história". E eis que aqui, esta frase do antigo Primeiro Ministro britânico, faz todo o sentido. Não devemos nunca em nome do povo, limitar os anseios, sonhos e as suas próprias vontades. Toda a forma, que reprime esta forma de agir, não é democracia, é aquela palavra que o leitor está a pensar.

Não a escrevo, porque nem consigo imaginar o que seria a minha vida sem liberdade e democracia, em que o meu pensamento seria oprimido, os meus dedos seriam cortados e a minha vida limitada, encarcerando os meus próprios sonhos. 

A Liberdade deve ser um estado perpétuo do ser humano, mas ainda existe quem seja condenado perpetuamente, por lutar por ela.

 

 

 

 

Do Leste não vem só frio

por Tiago Aboim, em 01.12.16

Para os que julgavam que a guerra fria terminou em 1989, enganem-se, ela continua bem presente e entre nós. Os protagonistas não mudaram, Estados Unidos e Rússia, que com os seus parceiros, assumem claras divergências nos principais assuntos internacionais.

 

Mas convém realçar que o acontecimento mais importante de consonância entre os dois países, foi este ano e tem um interveniente português. Falo-vos da eleição de António Guterres para Secretário-Geral das Nações Unidas. Um momento em que o embaixador russo nas Nações Unidas consagra o nome de Guterres em Nova Iorque após a reunião dos membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas, na sede da organização. É sem dúvida um facto político a não descurar na cena política internacional nas relações entre a Rússia e os EUA, em que ambos concordaram na escolha de um secretário-geral das Nações Unidas.Processo que necessita de uma reforma, pois não deveriam ser permitidas candidaturas com o jogo a meio, como aconteceu nestas eleições.

 

Neste artigo, não apresentarei a narrativa de acontecimentos sobre as relações entre Estados Unidos e Rússia nos últimos 27 anos. Mas realço a ação político-diplomática que o ainda o Presidente dos Estados Unidos tem tido na tentativa de resolução e de aproximação a Moscovo, mas sem o sucesso esperado. Ao invés, parece que voltou o telefone vermelho entre a Casa Branca e Moscovo, como aquele que decorreu na primeira parte desta constante tensão ocidente-leste. 

 

Vivemos talvez o período mais tenso entre estes dois países no século XXI. O xadrez político tem vários tabuleiros, nomeadamente, na problemática da Síria, Crimeia e no combate ao Daesh, e até no próprio continente europeu com as fronteiras a leste. E talvez seja aqui um problema sério, que tem sido descurado por parte das autoridades europeias, mas que as autoridades nacionais dos países da União Europeia a leste têm alertado. Uma enorme vulnerabilidade dentro da Europa.

 

Após a extinção do Pacto de Varsóvia, muitos dos países que integravam esta aliança militar com Moscovo foram inseridos na Aliança Atlântica, algo que nunca foi muito bem aceite pelas autoridades russas, que consideravam a sua integração como uma espécie de provocação. Aliás, é a leste que as forças da NATO têm tido os seus principais testes e simulações.

 

Por outro lado, Moscovo aproxima as suas tropas para junto das fronteiras dos países bálticos, Ucrânia e Bielorrússia. Aliás, na Lituânia a sua população parece preparar-se para o pior.  Como resposta a estas “provocações” a força aérea russa, tem sobrevoado o espaço aéreo de países membros da organização atlântica, como é exemplo Portugal.

 

O exército russo, assume já as posições estratégicas como fazia no tempo da antiga União Soviética. As constantes ameaças do Presidente Vladimir Putin devem ser vistas como uma forma silenciosa de ocupar posições estratégicas no continente europeu e no reforço da hegemonia político-militar no leste europeu e na Ásia Central.  A ingerência russa em territórios problemáticos como a Ossétia (Geórgia) e a Crimeia (Ucrânia) é uma forma de ocupação encapuçada, assumindo posições geoestratégicas no Cáucaso e no Mar Negro. No entanto, a Comunidade Internacional compactuou(a) com uma situação semelhante, a Chechénia, sendo caracterizado como um “assunto doméstico”.

 

Por sua vez, os Estados Unidos, poderão vir a assumir um papel diferente nas suas relações com Moscovo, uma vez que o novo inquilino da Casa Branca, Donald Trump, defende uma aproximação entre os dois países. Na sua campanha eleitoral, sempre realçou a necessidade de aproximação, bem como, desvalorizou a importância da NATO. Tendo em conta as suas declarações, parece que o novo Presidente dos Estados Unidos, despreza a importância que  esta organização tem na garantia da segurança do espaço europeu e até mesmo dos países da América do Norte. Sejamos claros, embora seja um defensor incondicional da paz no principio consagrado das Nações Unidas, a posição desta nova administração poderá ditar a criação de um sistema de defesa europeu, ou seja, o exército europeu, de forma a que a Europa não se torne refém das pretensões políticas de Donald Trump que tem sobre a NATO.

 

E essa aproximação de Trump com Putin, será a cedência dos EUA aos objetivos russos ou voltaremos a ter a política bélica e intervencionista dos EUA nos diferentes pontos do globo? Os próximos quatros anos, serão a resposta a essa pergunta. Enquanto o tempo passa, mais dúvidas nos surgem e as incertezas poderão converter-se em certezas.

 

Quanto à Síria, é um autêntico barril de pólvora que se poderá traduzir num conflito regional generalizado, onde se jogará novamente a política de alianças. O sistema de alianças político-militar, está desde já assumido por parte de alguns líderes políticos dessa região. Tendo em conta as declarações do Presidente sírio à RTP, ficou bem demonstrado a sua desconsideração face à Turquia e a forma como esta tem sido liderada.

 

No entanto, convém relembrar que a Turquia é membro da NATO, mas que tendo em conta a tensa relação atual com o ocidente, esta aproximou-se da Rússia, que não é encarada com bons olhos por parte do ocidente. O posicionamento da Turquia, poderá ser determinante para paz  regional. Assim como não deverá ser descurada a situação iraquiana, que ainda tem uma enorme fragilidade política e que tem uma guerra civil no seu território, principalmente a norte, contra os combatentes do Estado Islâmico.  A debilidade nesta região poderá ainda ser maior, com o reacender da questão curda, a reclamar para si um território. Um conjunto de ingredientes explosivos que põe esta região numa corrida contra o tempo, onde a incerteza é o fator dominante.

 

O problema sírio, é talvez uma das maiores derrotas que a Ordem Mundial, assente desde 1991, está a ter. Os relatos de terror ocorridos neste país asiático, são autênticos atos de guerra, cometidos pelas diferentes forças em confronto. Os esforços diplomáticos na resolução deste conflito têm sido insuficientes ou diria, de uma enorme inoperância, fazendo com que cada vez mais inocentes morram e sofram, a cada dia.

 

As atrocidades cometidas em Alepo, devem ser consideradas como autênticos crimes de guerra, sendo os responsáveis condenados nas instâncias internacionais. A sua desresponsabilização conduziria a uma vitória das balas sobre o Direito Internacional e  sobre o principio fundamental das Nações Unidas, a que todos os países inscritos. Alepo não é apenas uma cidade na Síria - é o estado do mundo. Onde o grito do medo ecoa pelas ruas vazias e frias da cidade. Um coração de um povo que sofre o terror das balas.

 

Poderia considerar-me um catastrofista, considerando inevitável um conflito global com repercussões inimagináveis, mas prefiro para já denominar esta situação, como a parte dois da guerra fria, com o ressurgimento da Rússia.

 

Embora para os principais líderes mundiais este cenário pareça um pesadelo ou filme, atrevo-me a utilizar o título de um filme de 2002, intitulado a Soma de Todos os Medos, mas que aqui o resultado não é ficção, é real.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Favoritos